quarta-feira, 21 de março de 2012

Meu Testemunho

Meu nome é Ana Maria, sou professora (inativa) quase aposentada. Sou divorciada no momento. Tenho 3 lindos filhos (independentes) e dois netinhos.Tenho atualmente 58 anos. Resido na cidade do Rio de Janeiro. Fui uma pessoa muito sofrida e derrotada, mas encontrei solução para todos os meus problemas, paz e razão de viver. Confira brevemente na seção abaixo em "Meu Testemunho". Deus te abençoe neste dia!


Muitas vezes eu fui curada de enfermidades graves, através de pessoas que oraram por mim, manifestando-se assim os dons de curar ou a oração da fé, ou ainda a oração do justo em meu favor.
Outras vezes, em horas angustiantes de opressão e dor, recebi alívio pela oração desses irmãos, para me “libertar “ de opressões e setas malignas. Todavia, não demorava muito e eu estava novamente vivendo esses problemas, com novas enfermidades e novos tormentos e angústias, ou seja, eles voltavam.
Alguns me diziam que eu “ não tinha fé para obter a minha cura” ou “para resistir ao diabo”, e que por isso eu sempre vivia enferma e problemática. Mas, eu poderia afirmar que eu tinha fé! Mas, por que eu não conseguia “viver com abundância” , desfrutar de paz, saúde, alegria, vitória nos problemas, etc. de uma maneira definitiva e constante?
Eu buscava a Deus, ia a todos os cultos possíveis, jejuava, orava, cantava, tinha cargos na igreja, ia às “reuniões de poder”, trabalhava para Deus de diversas formas e procurava obedecer à Palavra em tudo que me ensinaram como sendo o certo. Consultava pastores e amigos que eram servos de Deus, muito consagrados, mas as respostas que eu recebia, eram:

• . que Deus tinha um objetivo nisso;
• . que Deus estava provando a minha fé;
• . que as tribulações me aproximavam de Deus;
• . que Deus prova aquele a quem ama;
• . que tudo contribui para o bem dos que O amam;
• . que Deus provou a Jó;
• . que o apóstolo Paulo era doente (que o espinho na carne dele era uma enfermidade);
• . que Timóteo também tinha “freqüentes enfermidades”;
• . que “no mundo tereis aflições”, etc.
Eles não tinham a solução para mim.
Meus filhos viviam enfermos, saía uma enfermidade e vinha outra, e eu não conseguia aceitar isso. A minha casa era uma mini-farmácia, em cima da geladeira. Além disso, eu tinha muitos temores, não tinha paz interior, vivia com superstições, tinha muitos problemas, angústias, opressões, doenças, insônia (já estava dependente de remédios controlados), etc.
Passava por sérios problemas no meu casamento, onde eu não era feliz e nem conseguia sair disso. Hoje, eu entendo como o diabo consegue manter uma pessoa presa por grilhões, debaixo de jugos terríveis, quer seja de usos e costumes ou jugo de servidão, subjugado a outra pessoa. Não conseguia me livrar de sentimentos que me prendiam e não me deixavam sair de um círculo vicioso onde me encontrava.
A maravilhosa e poderosa unção que recebi com a prática da Oração no Espírito Santo, despedaçou todo o jugo que me mantinha presa às maldades de Satanás, que queria me matar e destruir. Suas astutas ciladas,
• são astutas porque não as conhecemos e nem temos poder contra elas, e assim não sabemos vencê-las;
• são sutis, porque parecem certas, comuns, coisas da vida, vontade de Deus, etc.
Marcos, 12: 24 – “Porventura não errais vós, em razão de não conhecerdes as Escrituras e nem o poder de Deus?” Quando chegamos a um entendimento correto da situação (aquilo que Deus pensa a respeito) , trazido pelo Espírito santo, através dessa prática, aí então, encontramos e recebemos a força e o poder para sair delas. Graças a Deus, por Jesus Cristo! Aleluia!
Eu lia na Bíblia, que o meu Deus, Jesus Cristo, levou tudo isso, no Calvário, e que tinha comprado para mim uma vida vitoriosa já aqui na Terra e depois, na eternidade.
• João, 10: 10 – “O ladrão não vem senão a roubar, a matar e a destruir; eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância”.
• Tiago, 5: 13 –16 – “Está alguém dentre vós aflito? Ore. Está alguém contente? Cante louvores. Está alguém entre vós doente? Chame os presbíteros da igreja e orem sobre ele, ungindo-o com azeite em nome do Senhor. E a oração da fé salvará o doente, e o Senhor o levantará, e se houver cometido pecados, ser-lhe-ão perdoados. Confessai as vossas culpas uns aos outros e orai uns pelos outros, para que sareis. A oração feita por um justo pode muito em seus efeitos”.
• Mateus, 11: 28, 29b – “Vinde a mim todos vós que estais cansados e oprimidos e eu vos aliviarei ... encontrareis descanso para as vossas almas...
No entanto, eu não via isso acontecer na minha realidade e nem na de outros irmãos que me rodeavam. Eles também tinham problemas antigos, sem solução.

O entendimento errado, a respeito de muitas coisas que me ensinaram, como sendo de Deus (mas era só o produto do entendimento humano das Escrituras, do intelecto dos homens, de livros, de seminários, etc.), me impedia de alcançar as vitórias pela fé (que remove montanhas) (2). Era insuficiente para “mover a mão de Deus” ou “destruir as fortalezas do diabo” que se apresentavam na minha vida.
Porque, se o entendimento que eu tenho, vem pela minha fé na Palavra (Verdade), se ela (a minha fé) não estiver correta, (fundamentada na Verdade) e grande, ela não vai funcionar. Se eu tenho fé na coisa errada ou da maneira errada , não vai dar certo, ou seja, se eu creio que o cristão pode viver doente, não vai adiantar eu orar pela cura.
Já ouvi alguém dizer certa vez , que a fé não aumenta nem diminui, mas que Deus já deu a cada um uma determinada medida de fé. Imagine! Pois, se o próprio Jesus disse que se tivéssemos uma fé crescente como um grão de mostarda (que é pequena, mas crescendo torna-se a maior das hortaliças) nada nos seria impossível! Então, se não acontece é porque eu não tenho essa fé crescente e verdadeira. A fé que eu tenho ainda é pequena ou pouca porque a Bíblia não pode mentir. O erro só poderia estar em mim!
“...Por que não pudemos nós expulsá-lo? E Jesus lhes disse: Por causa da vossa pouca fé; porque em verdade vos digo que, se tiverdes fé como um grão de mostarda (que é crescente), direis a este monte: passa daqui para acolá e há de passar; e nada vos será impossível. Mas esta casta de demônios (todavia neste caso) não se expulsa senão pela oração e pelo jejum (a fé crescente da oração no E.Santo precisa se associar ao jejum). (ver no tópico JEJUM no menu na pagina principal)
É verdade que Deus concedeu uma medida de fé a cada um, mas eu diria que é uma FÉ INICIAL para começar uma carreira cristã e com ela nós vamos vencendo, vencendo, vencendo. Todavia, chega uma certa hora em que não conseguimos mais sair de certas situações ou vencer determinadas enfermidades, etc. Então, agora precisamos de uma fé GRANDE, GERADA PELO ESPÍRITO SANTO, ILIMITADA e com uma base correta nas Escrituras Sagradas. Aquele que ora em línguas estranhas edifica-se a si mesmo sobre a sua SANTÍSSIMA FÉ, isto é, cresce numa fé com base na Verdade. Aleluia! (Ver Coríntios, 14 e Judas, 1:20)
Ao começar a praticar o dom de falar línguas estranhas, eu pude ouvir o Senhor me dizendo, pela Verdade Revelada da Palavra (verdadeiro entendimento sobre o dom de línguas estranhas) trazido pelo Espírito Santo, que eu nunca mais deveria parar de orar em “outras línguas” e que disso dependeria a minha vitória em todas as áreas da minha vida.
“Orando em todo o tempo, com toda a oração e súplica no Espírito Santo, e vigiando nisto (neste tipo de oração), com toda a perseverança (sem desistir) e súplica por todos os santos (intercessão).”(Efésios, 6:18)
Continuei então nessa prática (na qual estou desde 1989), dedicando todo o tempo a isso, apesar de ter (na época) três filhos pequenos, um marido, uma casa, cargos na igreja, e ainda trabalhar fora, como professora. No ônibus, ou caminhando pela rua, onde quer que eu estivesse, orava o tempo todo em outras línguas, calada (só no pensamento), só comigo e com Deus, e quando eu podia estar “à sós com Deus”, no meu quarto, então eu orava de modo audível, mas com voz bem baixa.
No decorrer de 1 ano nessa prática, eu já “operava no poder de Deus”, curando pessoas em nome de Jesus e desfrutando de paz e saúde, pois fiquei curada de tudo que me afligia e de todas as enfermidades. Assim prossegui, de valor em valor, de vitória em vitória, gradativamente, ou seja, à medida em que me entregava ao Espírito Santo, orando dessa forma.
Encontrei solução para todos os meus problemas, graças ao verdadeiro entendimento das Escrituras, a respeito deles .
Isso eu não sabia antes, pois não me ensinaram assim, a respeito da fé no espírito; a fé verdadeira no que Deus realmente É e PENSA a meu respeito, e a respeito dos meus problemas.
No final de 5 anos nessa prática, eu estava livre de todo o jugo que me atormentou durante vinte e quatro anos na minha vida, e daí a mais uns poucos anos, fiquei livre para sempre da insônia e de remédios controlados! As vitórias vão acontecendo umas após as outras, gradativamente.
Hoje, eu ando nessa prática há 20 anos, e continuo livre de opressões, do medo, da angústia, de dores, da insônia, de doenças, de problemas sem solução, de desarmonia, de entendimentos e ensinamentos errados, que impediam a minha fé de crescer e operar.
Desde então, eu encontro respostas e direção de Deus, por causa da Verdade Revelada da Palavra (o que Deus verdadeiramente quer dizer), trazida pelo próprio Espírito Santo, para dentro do meu espírito e que passa para a minha mente e se manifesta nas minhas atitudes, palavras e pensamentos, através da prática da oração em línguas estranhas.
Esse dom de “falar de mistérios”(coisas ocultas a meu respeito) com o meu Deus, numa linguagem espiritual, na qual ninguém pode interferir, porque ninguém entende (nem mesmo eu), permite uma intercessão contínua do Espírito Santo por mim, pois” não sei orar como convém”.
E o que ora com o espírito, ora “de fato”, ou seja, “ora certo” (I Cor. 14) e isso tira o engano e traz a verdade de Deus a respeito das coisas ou a verdade das coisas segundo Deus, para dentro de mim e me permite ter uma verdadeira comunhão com Ele.
A prática desse dom espiritual também me leva a ´conhecer” ...pelo poder do Espírito (dom do conhecimento) no homem interior (espírito), qual a largura, o comprimento, a altura e a profundidade (o que Deus É em poder) e o amor de Cristo (o caráter de Deus), que excede todo o entendimento (natural) para que eu seja cheia de toda a plenitude (poder e conhecimento) de Deus”.
Tira toda a dificuldade de crer; é o fim da INCREDULIDADE em mim, trazendo plena convicção da Palavra de Deus e dos fatos, e tirando toda espécie de jugo dos ombros. Aleluia! Todavia, eu não posso esquecer que o meu livre arbítrio sempre estará predominando, ou seja, nada disso acontecerá se eu não acreditar, se eu não quiser, ou não permitir que Deus faça isso.
Posso orar em línguas estranhas enquanto estou trabalhando na minha profissão, em silêncio, somente no meu pensamento, sem que ninguém ouça nada; ou mesmo num escritório, ou quando faço o trabalho doméstico, ou se estou costurando, fazendo crochê, lendo, escrevendo, pintando, ou no computador, e até assistindo à TV.
Nada me impede de orar no Espírito Santo, pois esse dom não tem nada a ver com a minha mente natural. Mas, o ideal é que eu tenha um tempo para estar orando em línguas estranhas à sós com Deus, pelo menos durante 1 hora para começar, no meu quarto “e fechada a minha porta” orar em secreto, para que eu tenha experiências ainda maiores com Deus, que dependerão de eu estar à sós com Ele e que eu não poderei ter se estiver ocupada com alguma outra coisa, e assim alcançar a vitória mais depressa. Depois, gradativamente deveremos ir aumentando esse tempo à sós com ELE.
Certamente o diabo tentará lhe dizer, que tudo isso “não vem de Deus”, que é “uma novidade”, “uma heresia”; ou que línguas estranhas só podem ser faladas quando se “sente” alguma coisa, ou alguma “unção especial”, senão “é da carne”; ou ainda que no Velho Testamento não existia isso, e que não há “base bíblica”, e coisas desse gênero.
Qualquer dos dons deve ser praticado, para operar mais eficazmente. Quanto mais se ora pelos enfermos nos dons de curar, mais enfermos são curados. Quanto mais se exercita os dons, mais eles operam. Se o dom de falar em línguas estranhas é para mim, quanto mais eu o praticar, mais ele operará em meu favor.
O que eu entendo, lendo sobre os nossos grandes avivalistas, é que eles não souberam dar prosseguimento ao que começou por eles. Por razões diversas, como as de hoje ouvimos de várias pessoas, que não entendem que devem continuar nisso e outras que não acreditam, assim também eles não entraram por esse caminho, quem sabe, com algumas exceções.



Ler mais: http://ministeriomoes.webnode.com.br/sobre-nos/

6 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Muito Bom o seu testemunho! Assim entendo também.
    Pr Aramisio Borges

    ResponderExcluir
  6. Eu creio no seu testemunho. Tenho rompido através desta prática

    ResponderExcluir