quinta-feira, 15 de março de 2012

Testemunho do Pr. Celio

Eu (pr. Célio) não tinha afinidade por cristão, por crente de qualquer religião. Eu era católico, uma criança e aos cinco anos de idade já rezava terços com meus avós. Muito religioso naquilo que os meus pais me ensinara, mas eu não podia ir além daquilo. Então, o que a Igreja Católica me ensinou, a tradição dos meus pais me ensinou, me fez ser fiel a uma visão. E a fidelidade que eu tinha naquela visão me deixou com rejeição com qualquer outra idéia que trouxessem para mim. Mesmo o evangelho, mesmo de Jesus, mesmo que falassem de Jesus para mim eu não concordaria porque eu já tinha o meu Jesus, do meu jeito, da minha maneira. Eu fiquei de certa maneira imunizado contra o próprio Deus.
Então quando alguém disse para mim que eu precisava aceitar Jesus, entregar minha vida para Jesus, eu achei um absurdo, achei uma afronta para mim, porque as pessoas que disseram isso, eu dizia que já tinha Jesus tanto quanto elas ou talvez mais ainda eu me espelhava na minha pratica. Eu dizia “eu na quaresma não como carne, eu rezo um terço antes de dormir, eu vou a missa todos os domingos, e você fala que eu não tenho Jesus, você está me afrontando, me desacatando”.
Mas a minha vida de derrota continuava do mesmo jeito, porque eu não tinha relacionamento com Deus, eu tinha simplesmente uma religião, e a religião não muda ninguém. E um dia a minha irmã se converteu no Evangelho Quadrangular, a filha dela foi curada e ela trouxe a noticia para todo mundo. E eu dizia “então está bom, você fica com sua religião, eu nasci na minha religião e vou morrer na minha religião”. Depois foi o meu irmão mais velho, que aceitou Jesus, começou a tocar na igreja e com muita insistência me levaram um dia. Eu não gostei, falei que não ia voltar mais.
Mas um dia eu estava passando em frente a uma igreja e tocava um hino muito bonito e disse: "um dia nós vamos vir aqui”. E um dia eu fui naquela igreja e chegando lá minha esposa foi curada, quando um tumor que tinha na cabeça dela saiu pelo nariz, na frente de todo mundo, e me deixou impactado. Eu disse “então, se é assim, se esse Deus faz coisas tão notórias desse jeito eu quero esse Deus pra mim”. E aí comecei a parar um pouco pra pensar...
Chequei no Pantanal e falei com Ele. Fui pescar, era pescador, fui para uma praia bem distante e falei co Deus que eu queria conhecer Ele. Eu me lembro como se fosse agora, uma lua cheia, coisa mais linda, a lua cheia do Pantanal é algo muito bonito. E olhei para aquele céu, com aquela lua tão bonita, aquelas estrelas tão vivas eu disse: “Quero conhecer o Senhor que criou esse céu, essa lua, essas estrelas, essas coisas todas que estou aqui vendo”, e aí Deus foi lá. Pela primeira vez eu ouvi a voz de dEle, Ele falou para mim: “Que bom que você quer me conhecer”. Eu sei que era um homem derrotado, e assumindo que eu era derrotado porque muitas vezes a pessoa é derrotada, mas não é assumida. Eu não estava no fundo do poço, eu estava para baixo do fundo do poço. Mas quando Deus falou comigo, Ele entrou dentro mim. Enfiou a mão dEle, arrancou a derrota que eu tinha e também me convenceu que eu não era mais derrotado. E daquele dia em diante eu comecei um novo relacionamento intimo com Ele. E o interessante é quando a gente não tem uma religião, a gente tem um relacionamento íntimo com Deus, e que você não agüenta ficar calado quando ouve Deus falar. Eu não consegui ficar calado.
E Deus falou pra mim: "Agora você vem após mim e Eu vou te fazer um pescador de homens" . Eu disse: “mas pra eu pescar homens, falar com homens, eu preciso aprender ler, aprender a conversar, eu tenho vergonha de todo mundo, eu não sei conversar com as pessoas, não sei expressar” e Deus me disse: "Eu te ensino". Eu vou com uma condição. Aqueles que não crerem na palavra vão crer pelos sinais que vão me seguir, se o Senhor confirmar isso eu vou. Mas eu falei isso da boca pra fora, mas Deus não fala da boca pra fora, Ele fala no coração. Ele falou que me queria pra pescar homens e que todas as armas que precisasse Ele não ia deixar faltar nada. Eu assumi, mas ia pregar pra quem? Não tinha igreja, não tinha ninguém. E fui fazer o que sabia fazer. Ia pra beira do rio, só de bermuda e saia pregando pra pessoas. Pregava pra pescadores, ele aceitava Jesus, ia pra casa de outra pessoa ele aceitava Jesus, eu já batizava no rio ali. Começou aí.... Eu coloquei tábuas de construção em volta da minha casa, pedia para mestres de obras as tabuas eles davam aquelas rachadas, eu pregava elas e comecei a fazer banco de tabuas. Você não tem idéia de como era minha alegria, mesmo que ninguém fosse sentar nela, porque Deus tinha me falado que eu ia pregar o evangelho.




Engraçado, as pessoas chegavam, eu me lembro, eles vinham e eram tão impactados pela palavra. Agora você imagina eu passava segunda a sábado trancado dentro de um quarto orando e jejuando e meditando na Palavra. Fazia fila, as pessoas faziam filas. E a gente orava, eles se embriagavam, caiam ali no chão, saia, vinha outro...não tinha horário.
Eu não imaginava que fosse acontecer assim, imaginava que ficaria daquele jeito nas tabuas, pra mim tava bom daquele jeito. Eu não tinha experiência com o poder de Deus, eu vi o poder de Deus na vida da minha esposa quando ela foi curada. Mas quando comecei a orar pelas pessoas, e começaram a cair, embriagar, tirar o gesso e pernas estar cicatrizada. Quando começou isso eu achei muito interessante, de certa maneira eu fiquei viciado naquilo, então eu caçava onde tinha um doente pra eu colocar a mão na cabeça dele, só pelo prazer de ver ele gritar a Deus e ser curado. E tem até um caminho perigoso que eu andei nele, eu comecei a brincar com a unção do Espírito Santo... o poder estava sobre a minha vida....
Agora você imagina alguém que não tem nada, que nunca teve admiração e nem respeito de ninguém e começa ter uma unção dessa forma, que as pessoas não param em pé na sua frente, isso envaidece qualquer um. Mas eu digo: isso aconteceu, e eu não busquei isso. Porque se você buscar essas coisas, Deus sabe que você está buscando o poder dEle, eu não estava buscando a pessoa de Deus. Por isso eu encontrei o poder de Deus.
Então esse sentimento que veio em mim, por causa da minha meninice, porque eu não tinha quem me instruísse... isso me custou algumas coisas, me custou a renunciar a dor até porque Deus foi removendo do meu coração essas coisas e precisei passar um período sozinho. Eu precisei passar por um deserto, quando as pessoas que estavam comigo foram embora eu fiquei sozinho por sete meses. Deus colocou um anjo no portão da minha casa e disse: "Daqui você não passa". E aí tive que descobrir a fé que traz na minha mão aquilo que eu desejo.
Eu descobri também que os apóstolos descobriram essa fé. E levavam na mão deles aquilo que eles queriam, e isso levou á Igreja Primitiva ao comodismo, então Deus falou: "já que vocês aprenderam a andar na fé e vocês não querem espalhar o Evangelho pelo mundo eu vou permitir que venha perseguições sobre vocês, e aí vocês terão que correr" e isso aconteceu comigo. Deus permitiu que viessem condições diversas na minha vida, porque eu fiquei acomodado.
Então as experiências que eu passei, passei sozinho. O relacionamento que eu tinha com Deus não era em busca de alguma coisa, eu não queria chegar a lugar nenhum. Eu não tinha nenhuma imagem de um pregador que eu pudesse me espelhar nele. O pai na fé que me deram duas fitas dele mora em Tulsa nos Estados Unidos (Pastor Dave Roberson), eu não tinha referencia, mas uma coisa foi muito bom pra mim: desenvolvi um relacionamento com Deus no lugar agradável. Eu fui entender o que Davi quis dizer quando falou “um dia nos átrios do Senhor é melhor que mil anos em qualquer outro lugar”.


Quando você ama a presença de Deus, e quer um relacionamento íntimo com Deus, Ele vai fazer na sua vida. Aí comecei a ministrar para as pessoas, fui batizando. Agora vou dizer uma coisa, sem demagogia nenhuma, acho que em 40 anos de trabalho de pregadores do Brasil, eu trabalhei durante 10 anos, porque eu vi um versículo que diz: "Nos não devemos comer o pão da preguiça", então eu dizia "Eu não trabalhei hoje, não ganhei uma alma pra Jesus estou devendo uma pra amanhã". Eu acumulava almas assim... no dia que eu ganhava 10, 15 eu dizia “bem agora amanhã eu posso ficar tranqüilo” e no outro dia quando eu levantava minha casa já estava cheia de gente.
E nesse período de sete meses que eu fiquei em casa trancado, eu desenvolvi uma fé que Deus trazia as almas até mim. Eu estava tão cheio de Deus, tão cheio da revelação do Espírito Santo, por passar o dia inteiro, a semana inteira só com Deus, eu não via televisão, não via radio, quase não via os meninos. Eu estava tão cheio de Deus e de testemunho do que Ele já tinha feito na minha vida que eu precisava contar pra alguém. Eu descobri que mesmo nível de fé que eu uso pra alguém venha até a mim e se converta a palavra de Jesus que eu vou falar pra ele, É a mesma fé que eu tenho para trazer a cesta básica, trazer o carro, a energia... a fé genuína. Não é a fé só de ouvir falar. Eu não tive opção. E vou dizer uma coisa, o que o Espírito Santo fala com você em primeira mão, é tudo de mais fantástico que você tem.
É a mesma coisa de eu pegar um livro e folhear e dizer “Nossa que livro maravilhoso, mas glorioso”,mas não tem coisa, o escritor daquele livro deve ter muitos livros né.
Então eu vou querer conhecer o escritor daquele livro... e eu sigo, antes de eu conhecer a Bíblia, eu conheci o autor da Bíblia. Essa fez a grande diferença da minha vida. Eu me relacionei com Ele sem saber ler a Bíblia. E quando eu li a Bíblia eu falava: "Eu já sei sobre isso aqui,eu falo sobre isso".
Eu descobri não a Bíblia, mas a pessoa da Bíblia e isso me fez apaixonar por Jesus,me fez querer conhecer a Trindade Santa, O pai, a função do Pai, a função do Filho e a função do Espírito Santo. E aí, aquela casa minha que era uma benção, que era de chão batido, lá na beira do rio, e não podia deixar molhar senão virava uma lama... só que tinha uma coisa, eu tinha uma tristeza muito grande antes de eu conhecer a Pessoa de Jesus, mas depois que conheci, mesmo com a água pingando ali daquele jeito, botando balde, panela pra não cair no chão, eu era feliz comendo arroz com alface. E ninguém nunca soube das minhas dificuldades. Eu não tinha coragem de falar pra alguém. Porque eu achava que se eu contar sobre a minha dificuldade eu estaria menos prezando meu Deus, o meu Pai. Então minhas dificuldades, minhas orações, minhas petições, eu chegava até Ele.
Eu decidi crer. Eu disse: "Ou eu creio, ou eu morro. Se não funcionar pra mim eu quero morrer, mas eu vou até as últimas conseqüências da minha fé". E aí Deus foi fazendo na minha vida. E depois de uns cinco anos que estava dessa forma, nessa entrega, Deus disse pra mim “Você agora vai congregar”. Eu disse “Então vamos embora”. Mas Deus não falou onde, e hoje eu entendo o porquê. Aí eu perguntei pra Deus: E pra eu congregar onde?
Veio um irmão de moto lá em casa, e me disse: “Eu quero te fazer um convite, você é um ganhador de almas, eu tenho visto as almas que tem se convertido eu quero você vai congregar com nós agora”. Mas ele não me conhecia, não sabia quem eu era, eu era um irmãozinho, então eu não tinha roupa, tinha uma calca jeans, um sapato que ganhei do meu irmão, eu ia congregar assim. Carregava o Celinho nas costas, eram quatorze quadras da minha casa.
Eu era muito dedicado, e da mesma forma que eu orava em casa eu ia orar na igreja. E um dia era uma reunião de senhoras, sentei quietinho no fundo. A presidente do grupo perguntou se tinham testemunhos, todas ficaram quietinhas. Mas ela me viu lá no fundo e perguntou se eu tinha testemunho falei "Eu tenho". Primeira vez que peguei no microfone. Quando eu fui lá pra frente, Deus me mostrou um quadro de todas elas, eram umas 100 mulheres, quando eu vi entrei em pânico e comecei a pregar por revelação. E fui falando, quando terminei de pregar não teve uma ficou de pé. Todas caíram no poder de Deus, sem eu impor a mão em ninguém. A mulher do presidente da igreja foi falar com ele, ele estava no banheiro, quando ela abriu a boca e foi contar o que tinha acontecido ele caiu dentro do banheiro de tanta unção. E ele veio e me disse, “Você é um pregador, um pastor”. E passados alguns dias, nós começamos a ganhar almas pra Jesus, e um irmão que iria suicidar nós oramos por ela, ela foi liberta, e ela tinha uma boa condição financeira e tinha comprado uma motinha por prazer dela mesmo, e veio e disse que iria doar para igreja. Pensa no que é felicidade. Eu fazia festa pra Deus com um pé de Alface. Reconheci que um pé de Alface veio da mão dEle. Aí... Ele começou me dar a presença dEle que é maior alegria. Então hoje, deu no que deu, Deus fez tantas coisas, está espalhando por aí. Isso é um resumo. Se eu for contar detalhes... vai... longe... Mas eu vivia assim, começou assim...
Mas hoje, a gente tem que fazer uma coisa, eu tenho que fazer uma coisa, tenho sempre que me recordar onde Deus me tirou. Agora isso vai pra você: o mal dos cristãos é não ter retrovisor pra saber que a pouco tempo não era ninguém. Você era uma pessoa totalmente sem nada que você tem. Você diz “Não tenho quase nada”. Mas e a inteligência, essa sabedoria que você tem? Mas daqui há cinco anos isso não vai valer nada. Então um conselho que dou é pra olhar por retrovisor. Se você acha que está bom, pode ficar melhor...
(Pega um papel e lápis. Faz um ponto na folha em branco) O que Deus me mostrou com relação ao que nos estamos vivendo é esse ponto nessa folha. Quando Deus da uma visão no coração de um homem igual Ele fez comigo, Ele me deu uma visão, eu não estou dando murro no ar. Eu quando tinha dez anos de crente não tinha guarda-roupa praticamente.


E hoje se eu ensinar fora do que eu vivi, os que estão na igreja não vão viver nunca o que eu vivo. Eu não importo que aqueles que são enviados passem por lutas, eu gosto, porque não teve facilidade pra ninguém. Todos aqueles que o Espírito Santo falou para que fossem enviados são fanáticos por almas, eles ganham almas. Eles mandam mensagem pra mim, ligam e dizem ”Pastor Célio nessa semana dez pessoas se converteram e se batizaram aqui”, e falam numa euforia muito grande. E até a maneira que eu respondo pra eles é diferente, e isso tem feito eles prosperarem, estão passando do tempo de escassez para o tempo de abundancia. Nós vamos ver o Ministério ser honrado em muitos lugares.
Se eles soubessem o que eu passei sem blasfemar, sem murmurar, eles veriam que realmente Deus tem usados pra encurtar caminhos, porque tem alguém ensinando a eles a fé tão grandiosa. Por que não importo com as lutas? É na área que não tem a fé edificada. Na área que não ouviram meu testemunho. Porque todos que foram enviados caminharam comigo. Então onde não edificaram sua fé deles eu acho ruim que passem por tribulações, é porque ouviram e não deram credito no que ouviram. O sábio vê os outros errarem e aprende com suas falhas, os tolos erram para aprender.
Hoje alguém olha o Ministério Sal da Terra e fala que copia na ponta da letra. Não vai conseguir, porque o que Deus tem na minha vida, não é isso que Ele tem pra sua vida. Porque as igreja do Brasil não está andando ainda como Deus quer? Porque se um pastor se levanta alguns pastores dizem: “ah! não o pastor fez uma corrente de oração funcionou eu vou fazer” ou seja, andar atrás daqueles que estão funcionando e você deixa aquilo que Deus tem pra sua vida.
Da mesma forma que o Espírito Santo operou pelos apóstolos Ele opera ate hoje. Tudo o que é do Espírito é particularidade do Espírito. Ou seja, nada se cria tudo se copia, mas é a comunhão com Deus, o tempo com Deus, o relacionamento com Deus. Hoje tem revelação do Espírito Santo como se tinha quando a Bíblia foi escrita, e essa revelação vem de um que é único, porque toda sabedoria e todo dom perfeito vem do Senhor.
Dizem que o ministério Sal da Terra não tem doutrina, eu digo: não existe um Ministério que tem mais doutrina que o Ministério Sal da Terra porque não mexemos com a pessoa do lado de fora, mas o Espírito Santo leva a mexer do lado de dentro. Toda moldagem no Homem tem que ser do lado de dentro. E é assim que tem sido feito...
Testemunho do Pastor Célio Rosa da Silva, presidente e fundador do Ministério Sal da Terra

Nenhum comentário:

Postar um comentário